Será que caminhamos para a extinção dos homens?


Já faz tempo eu tenho lido coisas a respeito da evolução humana, e sempre encontro algo que me remete a pensar que chegará uma época que não precisaremos mais de homens!😀 hehehe É sério, alguns estudos científicos mostram que alguns seres que se reproduziam de forma sexuada, passaram a reprodução não-sexuada, e então tornam-se capazes de se reproduzirem sozinhos.

Pois bem, e o que isso teria a ver com a nossa evolução?

Vocês já devem ter percebido que o número de mulheres cada vez mais supera o número de homens. No total do Brasil, em 2006, a média era de 95 homens para cada 100 mulheres. Ou seja, a cada 100 mulheres tem 5 solteironas por aí. Isso sem falar no resto do mundo. Se continuar assim, não haverá homens suficientes para fecundar a mulherada por aí e garantir a perpetuação da espécie. Então, a evolução terá que garantir uma forma de isso acontecer… Olha só o que acontece com um grupo de animais microscópicos que tiveram que evoluir e se virar para continuar existindo. Detalhe: a população é toda de fêmeas!

fonte: Visões da Vida

Confessemos o inconfessável: sexo é bom e todo mundo gosta, mas dá um trabalho dos infernos. Considere quanto sangue e suor, quantas lágrimas, notas de cem e faturas de cartão de crédito já foram empregados na história do cosmos para esse fim; quantas caudas de pavão e Ferraris, quantos vestidos decotados, sem falar no gasto de energia intelectual, como a invenção do soneto, os romances medievais sobre o amor cortês, o Cântico dos Cânticos. É muita dor de cabeça. Pela lógica, apenas as coisas indispensáveis são objeto de tamanha obsessão. Nós (e a grande maioria dos outros animais e plantas) só seríamos tão doidos por sexo porque não dá para sobreviver sem ele. O raciocínio é impecável. Mas no meio do caminho tinha um bdelóide. Aliás, umas 400 espécies de bdelóides, para ser mais exato.

bdeloides, ouseja lá o que for isso

Os bdelóides a que me refiro são as estranhas criaturas da foto acima – animais microscópicos formados por um número fixo de células, habitantes de água doce e substratos úmidos de todos os tipos, comedores de qualquer coisa devorável e compatível com seu tamanhinho. Não existem machos bdelóides: todos são fêmeas e produzem descendentes por partenogênese, ou “geração virgem” (processo no qual os óvulos iniciam o desenvolvimento embrionário sem fecundação por espermatozóides).

Temos boas razões para acreditar que esses bichos minúsculos abdicaram da vida sexual há cerca de 100 milhões de anos e, mesmo assim, conseguiram colonizar uma grande variedade de ambientes e se diversificaram, como qualquer outro grupo de animais – coisa que, em tese, não deveria ser possível. A trajetória evolutiva dos bdelóides indica que o sexo talvez seja menos indispensável do que se costuma imaginar

Faz sentido?

Antes de entender que mágica essas criaturas estranhas estão fazendo para se livrar da alcova, é bom colocar algumas coisas em pratos limpos. Como dizíamos no começo desta coluna, os seres vivos tendem a ficar fissurados apenas por coisas que têm um impacto sobre sua sobrevivência e reprodução. Dizer que adoramos doces (ou sexo!) porque “é gostoso” não explica nada. Nosso sistema nervoso está programado para “traduzir” comida açucarada e/ou uma noite de amor na sensação subjetiva de “prazer” porque os doces são fontes concentradas de energia para o organismo e porque o sexo é o procedimento-padrão da nossa espécie para passar genes de geração em geração. O prazer é um incentivo – ou um suborno, se você quiser.

Mas a verdadeira questão é por que escolher o sexo como mecanismo reprodutivo. Do ponto de vista exclusivamente matemático, a opção preferencial pela vida romântica não faz sentido. O sexo, considerado unicamente como meio para passar adiante o DNA de um organismo, é decepcionante porque envolve obrigatoriamente uma divisão desse DNA (pela metade) e a mistura dele com a de outro organismo. Lembre-se de que 50% dos seus genes vieram do seu pai e a outra metade, da sua mãe. Em tese, seria muito mais negócio para cada indivíduo isolado transmitir a carga total de seu material genético para a geração seguinte, pelo simples mecanismo de produzir uma cópia de si mesmo. Além disso, sempre pode acontecer de você não achar a tampa da panela – e, sem parceiros para ajudar, não dá para ter reprodução sexuada.

E, no entanto, a imensa maioria dos animais, plantas e fungos, além de um bom número de microrganismos, contraria essa lógica aparente. Até as bactérias, famosas por sua capacidade estonteante de dividirem suas células únicas em novas “células-filhas”, aderem ocasionalmente a sessões de “sexo” não-formalizado, trocando genes com outras bactérias, às vezes até de outras “espécies” bacterianas.

Duas idéias mais ou menos parecidas e complementares estão entre as que buscam explicar esse paradoxo. A primeira vê a sexualidade como uma espécie de seguro de vida contra parasitas e ambientes em transformação. A reprodução sexual, ao misturar e embaralhar os genes de dois indivíduos diferentes, automaticamente cria combinações de DNA novas que podem derrotar parasitas (que não “conhecem” a nova mistura, e portanto não estão equipados para vencê-la) e representar um “estoque” importante de novas soluções para alterações ambientais.

A segunda idéia propõe que o sexo ajuda no “controle de qualidade” genético de uma população. Em criaturas assexuadas, mudanças no conjunto do DNA só ocorrem por mutações – alterações químicas aleatórias nas “letras” químicas A, T, C e G que compõem a molécula da hereditariedade.

Ora, a imensa maioria das mutações tende a ser nociva. De geração a geração, o acúmulo de alterações “do mal” poderia colocar os organismos celibatários em perigo. Mas, para produzir as células sexuais, as partes equivalentes do DNA que você recebeu do seu pai e da sua mãe são colocadas lado a lado e se “recombinam”, trocando pedaços de cromossomos (as estruturas enoveladas que abrigam o material genético). Com isso, mutações “ruins” num genitor podem ser “consertadas” pelo material genético do outro genitor. Mal comparando, é como pegar dois álbuns de figurinhas completos e idênticos, um dos quais possui uma figurinha rasgada: retira-se a figurinha intacta de um e ela é colocada no lugar da que estava adulterada.

DNA tetracampeão

Depois de todo esse background, já podemos voltar aos nossos bdelóides, os mestres da castidade evolutiva. Se tudo o que foi dito nos parágrafos acima estiver correto, os bichos seriam um prato cheio para parasitas famintos e mudanças ambientais; de quebra, seu genoma deveria estar caindo aos pedaços de tanta mutação deletéria. No entanto, lá estão eles, vivos, bem e bastante diversificados, rastejando sobre musgos e liquens e nadando em poças d’água e córregos. Quando falta água, eles entram numa espécie de animação suspensa conhecida como anidrobiose, até as condições melhorarem.

O segredo dos bdelóides celibatários parece estar em características específicas do genoma das criaturas. O pesquisador americano David Mark Welch, do Laboratório de Biologia Marinha do Instituto Oceanográfico Woods Hole, mostrou que o DNA dos bichos é tetraplóide – diferentemente de nós, que temos duas cópias de cada cromossomo, eles têm quatro. Tudo indica que, no passado remoto, o conjunto duplo normal de cromossomos sofreu uma reduplicação, transformando os bdelóides em tetraplóides.

Ora, situações de extrema secura, como a anidrobiose, deveriam causar grandes quantidades de dano ao DNA, mas não é o que acontece. Experimentos em que esses bichos foram bombardeados com radiação – outra fonte comum de erros no material genético – revelaram que eles agüentam mais radioatividade do que qualquer outro animal conhecido.

O único jeito de explicar esse conjunto bizarro de características é imaginar que os cromossomos quadruplicados estão servindo como base para reconstruir o genoma bdelóide. Com várias cópias de cada gene à disposição, os animais conseguem corrigir rapidamente os erros que aparecem em uma, duas ou até três versões de um gene.

Ou seja, em certo sentido, pode-se dizer que os bdelóides puderam abdicar da sexualidade porque internalizaram os benefícios evolutivos do sexo. Em vez de buscar genes bons em outro corpo, eles corrigem os problemas nos seus genes internamente. Funciona um bocado bem para eles, ao que tudo indica. Eu sei o que você deve estar pensando: eles não sabem o que estão perdendo, né?

Um pensamento sobre “Será que caminhamos para a extinção dos homens?

  1. ESTÁ FALTANDO MULHER NO MERCADO. SUA MATÉRIA NÃO TEM NENHUM FUNDO CIENTÍFICO PALPÁVEL, NENHUMA CREDIBILIDADE.
    SÃO PAULO, UMA CIDADE COM 100 HOMENS PRA CADA MULHER, EM TODO LUGAR SÓ TEM MACHO. É NO ONIBUS, NO METRÔ, NOS ESCRITÓRIOS, NOS BARES, EM TODO LUGAR!!! E A VIOLÊNCIA ESTÁ CADA VEZ MAIOR DEVIDO A FALTA DE MULHER NA PRAÇA!!! A VIOLENCIA VAI AUMENTAR CADA VEZ, POIS FALTA SEXO NO DIA A DIA.
    MULHER = ANIMAL EM EXTINÇÃO.

Obrigada pela participação.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s