Arquivo de Tag | amor

Os nerds também amam

Os nerds também amam

“… E quem um dia irá dizer que existe razão nas coisas feitas com programação?! E quem irá dizer que não existe razão?”

fonte: minha nova leitura diária: Nerdson não vai à escola

Anúncios

Tocando em Frente

Tocando em Frente

Almir Sater

Composição: Almir Sater e Renato Teixeira

Ando devagar porque já tive pressa
Levo esse sorriso porque já chorei demais
Hoje me sinto mais forte, mais feliz quem sabe
Só levo a certeza de que muito pouco eu sei
Eu nada sei

Conhecer as manhas e as manhãs,
O sabor das massas e das maçãs,
É preciso amor pra poder pulsar,
É preciso paz pra poder sorrir,
É preciso a chuva para florir

Penso que cumprir a vida seja simplesmente
Compreender a marcha e ir tocando em frente
Como um velho boiadeiro levando a boiada
Eu vou tocando os dias pela longa estrada eu vou
Estrada eu sou

Conhecer as manhas e as manhãs,
O sabor das massas e das maçãs,
É preciso amor pra poder pulsar,
É preciso paz pra poder sorrir,
É preciso a chuva para florir

Todo mundo ama um dia todo mundo chora,
Um dia a gente chega, e no outro vai embora
Cada um de nós compõe a sua história
Cada ser em si carrega o dom de ser capaz
E ser feliz

Conhecer as manhas e as manhãs
O sabor das massas e das maçãs
É preciso amor pra poder pulsar,
É preciso paz pra poder sorrir,
É preciso a chuva para florir

Ando devagar porque já tive pressa
Levo esse sorriso porque já chorei demais
Cada um de nós compõe a sua história,
Cada ser em si carrega o dom de ser capaz
E ser feliz

estrada

IMPONTUALIDADE DO AMOR

Você está sozinho. Você e a torcida do Flamengo.
Em frente à tevê, devora dois pacotes de Doritos enquanto espera o telefone tocar. Bem que podia ser hoje, bem que podia ser agora, um amor novinho em folha.
Trimmm! É sua mãe, quem mais poderia ser? Amor nenhum faz chamadas por telepatia.

Amor não atende com hora marcada.
Ele pode chegar antes do esperado e encontrar você numa fase galinha, sem disposição para relacionamentos sérios.
Ele passa batido e você nem aí. Ou pode chegar tarde demais e encontrar você desiludido da vida, desconfiado, cheio de olheiras.
O amor dá meia-volta, volver.

Por que o amor nunca chega na hora certa?
Agora, por exemplo, que você está de banho tomado e camisa jeans.
Agora que você está empregado, lavou o carro e está com grana para um cinema. Agora que você pintou o apartamento, ganhou um porta-retrato e começou a gostar de jazz.
Agora que você está com o coração às moscas e morrendo de frio.

O amor aparece quando menos se espera e de onde menos se imagina.

Você passa uma festa inteira hipnotizado por alguém que nem lhe enxerga, e mal repara em outro alguém que só tem olhos pra você.
Ou então fica arrasado porque não foi pra praia no final de semana.
Toda a sua turma está lá, azarando-se uns aos outros.
Sentindo-se um ET perdido na cidade grande, você busca refúgio numa locadora de vídeo, sem prever que ali mesmo, na locadora, irá encontrar a pessoa que dará sentido a sua vida.

O amor é que nem tesourinha de unhas, nunca está onde a gente pensa.

O jeito é direcionar o radar para norte, sul, leste e oeste.
Seu amor pode estar no corredor de um supermercado, pode estar impaciente na fila de um banco, pode estar pechinchando numa livraria, pode estar cantarolando
sozinho dentro de um carro.

Pode estar aqui mesmo, ao seu lado, dando o maior mole.
O amor está em todos os lugares, você que não procura direito.
A primeira lição está dada: o amor é onipresente.
Agora a segunda: mas é imprevisível.

Jamais espere ouvir “eu te amo” num jantar à luz de velas, no dia dos namorados. Ou receber flores logo após a primeira transa.
O amor odeia clichês. Você vai ouvir “eu te amo” numa terça-feira, as quatro
da tarde, depois de uma discussão e as flores vão chegar no dia que você
tirar carteira de motorista, depois de aprovado no teste de baliza.

Idealizar é sofrer. Amar é surpreender.

Luis Fernando Veríssimo

Gamofobia!

Gamofobia é o medo de casamento, é um distúrbio psíquico que se traduz num medo mórbido, irracional, desproporcional, persistente e repugnante do matrimônio.

Será que sofro disso?

Já faz um tempo que tenho “enrolado” meu namorado. Ele queria casar, ter filhos… Perguntei: “- Não podemos ter um cachorro?” E aqui está o Chicão, nosso filhote peludo.

Por esses dias concordei em “pensar a respeito”…

É uma coisa estranha, por que a gente se dá super bem, e com certeza, ELE É O CARA. A tampa da panela, metade da laranja e blá blá blá. É amor mesmo.

Mas sei lá… O casamento da minha mãe não deu certo e cresci ouvindo que era uma coisa ruim, que nenhum homem presta… Eu sei que isso tudo são mágoas dela e que minha vida é um livro com páginas em branco, ou seja, tudo vai ser diferente. Agora, dar uma caneta para o Paulo ajudar a escrever é outra história.

Será? Será?

Lavar cuecas, compartilhar banheiro, passar camisas…

Em compensação, acordar junto, ter companhia nas refeições, cumplicidade…

Enfim, só sei que tudo o que faço, gosto de fazer direito, se não nem começo! Então se for mesmo pra ter casório, quero flores de laranjeira, catedral, bonequinhos em cima de bolo de andares e lua de mel. Do jeito que sou neurótica e ansiosa, vou estar com tudo pronto e preparado um ano antes, hehehe

By Panos Photographics in flickr.com - Nikos Quality Cakes set

Li um post muito legal sobre isso em um blog. Se gostou do assunto, passe por lá, é o Tudo Sobre Eva

As várias faces da paixão

singing-in-the-rain.jpg

Estou apaixonada! E de várias formas!

Paixão não é só aquilo que homens e mulheres sentem uns pelos outros… É também aquele calor de alegria que sentimos por dentro quando pensamos naquilo que nos faz feliz.

Tem gente que é apaixonado pela praia… É só pensar no mar, nas ondas… que se pode sentir o cheiro de maresia e o barulho da água na areia.

Outros são apaixonados por estrelas… Ao cair da noite ficam embasbacados olhando ao céu…

“Ora (direis) ouvir estrelas! Certo
Perdeste o senso!” E eu vos direi, no entanto,
Que, para ouvi-Ias, muita vez desperto
E abro as janelas, pálido de espanto …”

Há ainda os apaixonados por flores. Pela lua, pelo sol. Por música, por poesia, por livros!

E há aqueles como eu, apaixonados por cachorro. Vim do trabalho pensando nisso hoje. Não páro de pensar no Chicão. Aquele pequeno ser peludo, que cabe na palma da mão, já ganhou meu coração.

Seus olhinhos brilhantes, seu rabinho gentil…

E mais ainda, o futuro me empolga. As tardes que passaremos juntos nos gramados da USP, a recepção carinhosa do dia-a-dia…

O mais engraçado de se estar apaixonado é caminhar sorrindo pelas ruas. As pessoas te cumprimentam e sorriem de volta!!! É aí que você percebe que está divagando em seus pensamentos e lembranças felizes bem no meio da rua. Então o que te sobra é acenar timidamente com a cabeça como se dissesse “oi pra você também”. Dá vontade de sair cantando como Gene Kelly. I’m singing in the rain!

Ah, e a paixão pelo namorado… que delícia! E que real. Mas essa é outra história, essa não é só de paixão, mas principalmente de amor.

Soneto de Fidelidade

Vinícius de Moraes

De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.

Paixão e Ciência

Coração na cabeçaTenho pensado muito no Chicão. 32 dias para ele chegar, mas já sinto como se ele estivesse pulando por aqui.
Sinto-me como uma grávida! hehehe Ainda bem que desmame de cão não dura 9 meses. Mas então, isso me faz pensar na paixão, e na “materialidade” (se é que esta palavra existe) dela. às vezes tenho a impressão de sentir o Paulo aqui… E fico mentalizando o Chicão, para que fique fortinho rapidinho, recebendo minhas energias.
Fui googar sobre isso e vi que os cientistas dizem que é possível explicar por que perdemos a razão quando nos apaixonamos…

Técnicas de neuroimagem funcional permitiram mapear as regiões cerebrais ativadas e desativadas durante a paixão, e até compará-las com outros tipos de amor, como o amor materno.  Ambos podem ser revelados em alguém pela simples exposição de uma fotografia da pessoa amada ou do filho querido: o coração bate mais rápido, um sorriso se abre no rosto e… as áreas cerebrais envolvidas nesse reconhecimento visual passam a apresentar maior irrigação sangüínea, metabolismo mais intenso e maior atividade dos neurônios. Foi esse tipo de experimento que realizou o eminente neurocientista Semir Zeki, do University College London, e seu colaborador Andreas Bartels. Faz sentido: a dopamina é liberada nessas regiões cerebrais em situações de grande prazer, e os hormônios são secretados fortemente durante o orgasmo.

A semelhança parcial entre as duas formas de amor também faz sentido. Ambas têm em comum uma vantagem biológica e evolutiva essencial: favorecem a sobrevivência da espécie, pelo acasalamento e pelo cuidado com a cria.  A natureza desenvolveu engenhosas estratégias de aproximação entre machos e fêmeas, e de manutenção de um forte vínculo entre eles, assim como deles com os filhos.

fonte: Ciência Hoje

Segundo os cientistas evolucionistas, isso tudo seria um exemplo de adaptação biológica: um mecanismo de aproximar casais reprodutores e fortalecer seu vínculo recíproco. Já segundo Vinícius,

Certas palavras podem dizer muitas coisas;

Certos olhares podem valer mais do que mil palavras;

Certos momentos nos fazem esquecer que existe um mundo lá fora;

Certos gestos, parecem sinais guiando-nos pelo caminho;

Certos toques parecem estremecer todo nosso coração;

Certos detalhes nos dão certeza de que existem pessoas especiais,

Assim como você que deixarão belas lembranças para todo o sempre

O interessante disso tudo é que sempre tivemos a idéia de que o “amor vem do coração”. Deve ser exatamente por causa da tal substância (dopamina) que faz o órgão palpitante acelerar.

Se é físico, se é no cérebro, eu não sei… Só sei que não acaba. aiai… Dopamina que não sai de mim!;-)