Arquivo de Tag | ecologia

BIGORNA

BIGORNA

Saio do trabalho atrasada, tomo uma chuva com vendaval. Meu guarda chuva vira do avesso e eu viro um pinto molhado. Chego em casa ensopada, ligo o PC pra trabalhar no freelances atrasado enquanto troco a roupa molhada.

ZIP! O computador desligou. Checo e a tomada parou de funcionar. Troco de tomada e nada. Checo TODAS AS tomadas do apartamento e nenhuma coopera. Pane.

Encontro uma tomada gentil que sobreviveu, na cozinha. Levo toda a tralha do PC pra lá, inclusive a grande poltrona reclinável. Ligo o PC, musiquinha do Ruindows startando… Cadê meu pano de fundo e minhas configurações?

Crep do Windows. Nenhum programa pode ser executado, ele “não acha”. Ta alí! Mas o cegueta não vê.

Saio correndo para o segundo período de aula. Meu cachorro carente fica chorando baixinho na caminha. Saio chorando de remorsos. Correndo, por sinal.

A professora novata, com medo de paralisação por greve, decide trocar a prova que seria semana que vem para AMANHÃ! 😦

Vou pro laboratório imprimir matéria. Impressora lerda, perco a hora. O portão fechou! Terei que sair pela entrada principal, láááá do outro lado e andar mais uns 10 quarteirões à 1h da manhã pra chegar em casa.

Chego e meu cachorro carente descobriu o que é “saco de lixo” e como eles são frágeis. Tem milho e casca de tangerina até no pensamento da casa. Sem contar os respingos do resto de leite que tinha na caixinha. Quem manda não separar para reciclagem??

Limpo toda a sujeira. 2h da manhã, meu deus, eu tenho que estudar!

Vou dormir e levo o cachorro junto, ele tá carente.

Acordo com uma lambida na cara e uma mordida na testa! Devolve minha meia, Chicão! Não vou trabalhar para ficar estudando. Não termino meu projeto que já estava atrasado e o cliente cancela o contrato. O chefe fica brabo e me ligando de hora em hora. É melhor começar a mandar currículos.

Mas não tenho internet.

Aproveito que fiquei em casa (e não tenho nem como ligar TV, esqueceu-se das tomadas?) e saio para pagar contas. O caixa eletrônico mastiga e quebra meu cartão. Requisito outro ao banco, mas sou informada que ele foi enviado ao meu endereço antigo, já que faz só 1 mês que mudei e ainda não tenho comprovante de residência para apresentar.

15 dias para um novo cartão.

Venho na internet e descubro que meu freela não vai dar certo.

Piso no coco de cachorro (não do meu), e em uma goiaba podre. Meu pé fede.

Volto pra casa para estudar e meu cachorro carente comeu minhas listas de exercícios.

Agora só falta uma BIGORNA cair na minha cabeça, como nos desenhos do pica-pau. Espero que ela não caia na hora da prova.

Como ajudar as violetas a florir

Novo blog:

http://fortedoce.blogspot.com.br/

violetas

Não moro mais sozinha! 🙂 Tenho duas violetas e uma mini samambaia. Estão lindas em seus cachepôs de cerâmica. Só há um problema, enfrentado por qualquer um que compra violetas em mercado… As flores das violetas duram muito pouco, e muitas vezes elas nunca mais voltam a florir.

Como hoje acordei mais disposta a cuidas das minhas queridas, fucei a internet em busca de dicas para ajudá-las a florir. Vou colocar as fontes, mas o texto foi montado por mim, garimpando no rio de informações.

As violetas
Originária da Tanzânia, as Violetas são plantas fáceis de cuidar.
Enfeitam colorindo, graças as cercas de seis mil espécies já catalogadas.
Cuidar de violetas é atividade comum e gratificante.

Cultivo
Embora os vasinhos de plásticos sejam mais charmosos e há quem tenha sucesso até com o cultivo em xaxins, as violetinhas vão bem mesmo em vasos de barro. Eles absorvem o excesso de umidade que pode até apodrecer as raízes da planta. Deve ter um furo na base, para a drenagem da água das regas. Antes de receber a muda, é conveniente mergulhar o vaso em algumas horas para com as paredes úmidas, assim o material não roubará a umidade do solo. Faça uma camada de drenagem no fundo do vaso, colocando um pedaço de cerâmica sobre o orifício e encha o vaso com a terra. Pode ser usada uma mistura com duas partes de terra de jardim, duas de terra vegetal e uma vermiculita. Plante a muda, centralizando a raiz e molhe até a água escorrer para o prato. Jogue o liquido fora e regue novamente.
A terra em que estiver plantada não deve ser encharcada, pois o excesso de água provoca o apodrecimento das raízes. As raízes das violetas são muito sensíveis, sendo importante que a terra usada no plantio seja uma mistura de boa qualidade, com boa aeração. Recomenda-se um pH em torno de 5,5 até 6,5.
O plantio das matrizes e mudas não deve ser muito profundo, pois isso provoca o apodrecimento da planta.
O melhor é fazer uma pequena cavidade com o dedo e introduzir uma folha sadia, sem enterrar. Essa folha será a matriz que irá originar as mudas. Quando isso começar a acontecer, torna-se necessário retirar a folha matriz para forçar o crescimento independente.
As flores de violetas necessitam de vários elementos químicos. A parte básica da adubação são os macronutrientes: Nitrogênio, Fósforo e Potássio.
As aplicações de adubos são necessários, durante todo o ciclo (ex. nitrato de cálcio, uréia e nitrato de potássio).
O melhor local é aquele com boa luminosidade, mas sem incidência direta dos raios solares. A temperatura ideal para as violetas varia de 22 a 24 graus centígrados – o mínimo é 15 graus e o máximo 30. Com pouca luz, elas não florescem; com muita, são capazes de florescer, mas suas folhas ficam queimadas nas bordas. A luz solar filtrada pelo vidro de uma janela, por exemplo, e temperaturas em torno de 25 graus C formam o ambiente ideal para a planta. Se for colocar o vaso no parapeito da janela, uma boa dica para garantir o crescimento simétrico da violeta é ir virando o vaso, semanalmente, obedecendo sempre o mesmo sentido.

Cuidados
A violeta também é susceptível a algumas pragas (tripes, ácaros, etc.)
Se sua violeta apresenta alguns sintomas, a resposta pode ser a seguinte:
Manchas queimadas: alto nível de E.C., intoxicação por produtos químicos.
Amarelecimento das folhas: índices de luz, baixo nível dos principais macronutrientes.
Folhas com manchas brancas/amarelas: água com temperatura inferior a 21ºC, principalmente no frio.
Manter o vaso no prato, em lugar fresco, com luz indireta.
O maior pecado é molhar a copa e as folhas da violeta. Para que não apodreçam, o melhor é colocar água no pratinho. Cuidado, no entanto, para não afogá-las, já que respiram pelas raízes. No verão, molhe duas vezes por semana e no inverno, uma vez só. A cada mês, faça uma rega por cima, deixando que a água leve embora os sais minerais que concentram sobre o solo prejudicando-o. Importante: ferva a água ou deixe descansando um dia para que o cloro, tão odiado pelas violetas, evapore.
Para a adubação, alterne os fertilizantes orgânicos (origem animal ou vegetal, como esterco e farinhas de osso e de peixe) com os inorgânicos (derivados do refino do petróleo ou de extrações minerais). O NPK (nitrogênio + fósforo + potássio) é um fertilizante inorgânico apreciado por essas plantas. Vem no teor desejado e você pode optar pela composição 10-10-5.
A temperatura ambiente é aceitável até um mínimo de 18 graus centígrados.

Uma dica muito boa para violetas é água morna. Elas adoram! Regue-as com água levemente aquecida, isto ativa o metabolismo das plantinhas e elas respondem muito bem.

Uma violeta com boas condicoes irá florir por nove meses, e irá ” descansar” depois mais tres meses, pois violetas dãoum intervalo de florescimento. Se a sua violeta defloresce por rasoes nao visíveis, sua planta pode conter pulgoes (que podem ser minusculos). Pulgoes adoram a parte central da flor que é a parte mais delicada dela. Infelizmente, esta é a parte onde a flor sesegura ao corpo inteiro da planta. Tenha um inseticida de boa qualidade (recomendado caseiras) com água e pulverize toda a planta. Esta mistura precisa ter a temperatura ambiente, e siga as intrucoes do rotulo do seu inseticida, caso escolher de fábrica.

Uma boa dica é se achar alguma joaninha voando em sua area, colocar nas violetas, pois ela adora pulgões e não ira prejudicar sua planta. Tire todas as flores para ter um novo florescimento mais rápido.

E que venham as flores! 😀

(depois conto aqui se alguma dessas dica deu certo… :-\)

8 motivos para usar uma moka

moka

Novamente googando por aí, achei um site muito interessante, o Mude o Mundo, com matérias, idéias e notícias em prol de um mundo auto-sustentável. Mais atual impossível.

Percorrendo o site deparei me com uma matéria que tocou-me em especial: usar cafeteira italiana contribui para um mundo auto-sustentável 🙂

Eu A.D.O.R.O a minha, ganhei meses atrás da mãe do meu namorado, uma fofa. Além de o café ficar uma delícia (melhor que qualquer café de máquina…), a forma como ela funciona é uma diversão!

Leia a matéria abaixo, retirada de “Mude o Mundo”, e junte-se a mim na campanha “Use MOKA, economize recursos!” 😉

Criada em 1933 pelo italiano Alfonso Bialetti, a cafeteira italiana, ou “Moka”, é uma dessas invenções que nunca sai de moda. Presente em mais de 200 milhões de lares, a tradicional cafeteira apresenta diversas vantagens se comparada com as modernas cafeteiras elétricas:

  1. Não utilizam filtros de papel, o que significa menos resíduos (e menos fabricação, embalagem e transporte de um agregado desnecessário);
  2. São feitas quase inteiramente de alumínio, material altamente reciclável;
  3. Sua técnica utiliza pressão, imitando o funcionamento de uma máquina de expresso, e com isso consegue um café mais encorpado e aromático usando menos pó;
  4. Vão direto ao fogão, sem consumo de energia elétrica;
  5. Seu design simples e robusto – ao total são somente 9 componentes – garante a durabilidade e uma cadeia produtiva mais eficiente (menos cabos, menos componentes elétricos, menos botões. E a ausência de vidro é garantia de menos embalagem de proteção durante o transporte);
  6. Pode durar toda uma vida, considerando a troca esporádica do selo interno de borracha;
  7. Os diversos tamanhos disponíveis permitem que você escolha o mais adequado às suas necessidades ou estilo de vida;
  8. É um produto que dificilmente ficará obsoleto (diferentemente de algumas cafeteiras que são verdadeiros “gadgets”)., prova disso é que seu design se mantém praticamente intacto desde a concepção em 1933.

É claro que mudar a forma como se faz o café pode ser uma atitude pequena, mas é através dessas pequenas ações individuais que se cria consciência de coisas maiores a fazer.