Arquivo de Tag | família

Gamofobia!

Gamofobia é o medo de casamento, é um distúrbio psíquico que se traduz num medo mórbido, irracional, desproporcional, persistente e repugnante do matrimônio.

Será que sofro disso?

Já faz um tempo que tenho “enrolado” meu namorado. Ele queria casar, ter filhos… Perguntei: “- Não podemos ter um cachorro?” E aqui está o Chicão, nosso filhote peludo.

Por esses dias concordei em “pensar a respeito”…

É uma coisa estranha, por que a gente se dá super bem, e com certeza, ELE É O CARA. A tampa da panela, metade da laranja e blá blá blá. É amor mesmo.

Mas sei lá… O casamento da minha mãe não deu certo e cresci ouvindo que era uma coisa ruim, que nenhum homem presta… Eu sei que isso tudo são mágoas dela e que minha vida é um livro com páginas em branco, ou seja, tudo vai ser diferente. Agora, dar uma caneta para o Paulo ajudar a escrever é outra história.

Será? Será?

Lavar cuecas, compartilhar banheiro, passar camisas…

Em compensação, acordar junto, ter companhia nas refeições, cumplicidade…

Enfim, só sei que tudo o que faço, gosto de fazer direito, se não nem começo! Então se for mesmo pra ter casório, quero flores de laranjeira, catedral, bonequinhos em cima de bolo de andares e lua de mel. Do jeito que sou neurótica e ansiosa, vou estar com tudo pronto e preparado um ano antes, hehehe

By Panos Photographics in flickr.com - Nikos Quality Cakes set

Li um post muito legal sobre isso em um blog. Se gostou do assunto, passe por lá, é o Tudo Sobre Eva

Anúncios

Teste de paternindade

COPIEI este post!!!! É o seguinte… eu tava procurando “como cuidar de samambaias africanas” no Google e ele “apareceu”! Como adoro blogs… Adorei o post… é de 2006.

Lá vem o chicão, todo peludão, latilá latilá latilá!

fonte: Blog! Blog!


Escutei de um pediatra no fim de semana passado: “O pediatra é um veterinário de gente.”Vai ver é por isso que tantas pessoas treinam a paternidade com animais antes de terem seus próprios seres humanos para cuidar. É difícil encontrar alguém que não tenha um animal de estimação ou que pelo menos não diga que gostaria muito de ter um. Muitos donos chamam seus mascotes de filhos e não têm a menor vergonha de dizer na frente das visitas “Vem, Pitu. Vem cá com a mamãe!”. Isso se justifica quando a gente se dá conta de que alguns animais ou raças de cachorros e gatos têm um custo de vida tão alto quanto o de um filho, excluindo mensalidades de colégio e faculdade. No caso dos cachorros, o adestramento substitui a escola que, em alguns casos, o “pai” paga para que espanquem o “filho” sem que precise sujar as mãos.

Seguindo essa lógica, distribuir animais nas vilas e favelas seria uma forma inteligente de educar a população carente em relação aos prós e contras de ser pai. Afinal, se uma pessoa não é capaz de cuidar de um animal, como é que ela vai ter um filho? Alguns testam a sua paternidade com plantas, mas não é a mesma coisa. Porque a samambaia não rói as pernas da sua cadeira comprada por uma fortuna num antiquário. E mesmo que, por algum milagre, ela venha a fazer isso, não adianta mandar a samambaia para o adestrador. Uma samambaia assim só matando. Ou seja, não basta ser pai, é preciso ter know how para converter aquele animalzinho que chora sem motivo aparente num ser humano normal.

E quando a gente sabe que cumpriu a última etapa da fase de treinamento e já pode abandonar o anti-concepcional? É muito relativo. Você pode ter um animal por 10 anos, mas não cuidar dele como um filho. Cães de guarda são o melhor exemplo. Você não deixaria o seu filho no pátio, cuidando da casa, exposto a perigos mortais, deixaria? Animais como peixes e outros seres criados em aquário também não servem como treinamento. Pais que tiveram aquário têm um perfil superprotetor e costumam isolar seus filhos numa bolha de proteção com uma placa “não bata no vidro” do lado de fora. O mesmo vale para os criadores de pássaros.

Os animais ideais para o treinamento de pais e mães são cachorros de apartamento, gatos e iguanas. Quando você começar a chamar o veterinário de pediatra, pode ter certeza que está preparado para ser pai.

Exigências da vida moderna (quem agüenta tudo isso??)

Add to Technorati Favorites

multifuncional

Luís Fernando Veríssimo

Dizem que todos os dias você deve comer uma maçã por causa do ferro. E uma banana pelo potássio. E também uma laranja pela vitamina C.

Uma xícara de chá verde sem açúcar para prevenir a diabetes. Todos os dias deve-se tomar ao menos dois litros de água. E uriná-los, o que consome o dobro do tempo.

Todos os dias deve-se tomar um Yakult pelos lactobacilos (que ninguém sabe bem o que é, mas que aos bilhões, ajudam a digestão).

Cada dia uma Aspirina, previne infarto.

Uma taça de vinho tinto também. Uma de vinho branco estabiliza o sistema nervoso. Um copo de cerveja, para… não lembro bem para o que, mas faz bem.

O benefício adicional é que se você tomar tudo isso ao mesmo tempo e tiver um derrame, nem vai perceber.

Todos os dias deve-se comer fibra.

Muita, muitíssima fibra.

Fibra suficiente para fazer um pulôver.

Você deve fazer entre quatro e seis refeições leves diariamente.E nunca se esqueça de mastigar pelo menos cem vezes cada garfada.

Só para comer, serão cerca de cinco horas do dia.

E não esqueça de escovar os dentes depois de comer. Ou seja, você tem que escovar os dentes depois da maçã, da banana, da laranja, das seis refeições e enquanto tiver dentes, passar fio dental, massagear a gengiva, escovar a língua e bochechar com Plax.

Melhor, inclusive, ampliar o banheiro e aproveitar para colocar um equipamento de som, porque entre a água, a fibra e os dentes, você vai passar ali várias horas por dia.

Há que se dormir oito horas por noite e trabalhar outras oito por dia, mais as cinco comendo são vinte e uma.

Sobram três, desde que você não pegue trânsito.

As estatísticas comprovam que assistimos três horas de TV por dia. Menos você, porque todos os dias você vai caminhar ao menos meia hora (por experiência própria, após quinze minutos dê meia volta e comece a voltar, ou a meia hora vira uma).

E você deve cuidar das amizades, porque são como uma planta: devem ser regadas diariamente, o que me faz pensar em quem vai cuidar delas quando eu estiver viajando.

Deve-se estar bem informado também, lendo dois ou três jornais por dia para comparar as informações.

Ah! E o sexo.Todos os dias, tomando o cuidado de não se cair na rotina. Há que ser criativo, inovador para renovar a sedução. Isso leva tempo e nem estou falando de sexo tântrico.

Também precisa sobrar tempo para varrer, passar, lavar roupa, pratos e espero que você não tenha um bichinho de estimação.Na minha conta são 29 horas por dia.

A única solução que me ocorre é fazer várias dessas coisas ao mesmo tempo!!!Tomar banho frio com a boca aberta, assim você toma água e escova os dentes. Chame os amigos e seus pais.

Beba o vinho, coma a maçã e dê a banana na boca da sua mulher.Ainda bem que somos crescidinhos, senão ainda teria um Danoninho e se sobrarem 5 minutos, uma colherada de leite de magnésio.

Agora tenho que ir.É o meio do dia, e depois da cerveja, do vinho e da maçã, tenho que ir ao banheiro.

E já que vou, levo um jornal…

Cara de tacho

Cara de tacho

Moro em São Carlos faz 5 anos, e nesse tempo raros foram os domingos que não passei a tarde na Praça XV. Cães e seus donos, tapioca, chorinho, banca de revistas, artesanato, cheiro de pão fresco da Guanabara… Quem é Sancarlense sabe do que falo.

Domingo também é dia de ligar pra mãe, e de começar a conversa assim “Oi mãe! To vindo da Praça XV e comi UMA TAPIOCA!!! E você precisava ver um tapete de crochê entrelaçado…”

Bom, hoje consegui reunir meus dois rituais de domingo, mamãe veio passar o fim de semana aqui (milagre!), então a levei para comer tapioca… Mas ao chegar lá… CADÊ A TAPIOCA??? E os cães, crochês, livreiros, tocadores de chorinho??? Uma praça vazia!! E uma cara de tacho: a minha!

Mamãe ficou decepcionada, mas tentou disfarçar, tadinha. Fui informada por uma transeunte que as bancas de quitutes estavam na rodoviária esperando a escola de samba chegar. Quanto à feira de artesanato? Está de férias! Acredite, a feira está de férias.

Voltamos para casa, assistir “qualéamúsica”, já que insisti que fôssemos à pé, para curtir a vista, e ir à pé até a rodoviária é inviável. Por mais que a Tapioca da Bahiana seja de comer rezando.

Sou meio retrógrada, antiga… Tenho minhas manias sistemáticas… E fico deveras incomodada quando minha rotina é quebrada por um evento externo (o carnaval, ele, mais uma vez). Acho que só me recupero da cara de tacho na próxima visita de mamãe que eu puder levá-la comer tapioca.

Conselhos Úteis

Googando pela net, em busca de algo que fizesse bem a minha alma, encontrei o texto abaixo e esse tipo de coisa tem que ser compartilhada, difundida e acima de tudo: aprendida

Autor: Equipe de redação do Momento Espírita

Em uma conferência numa universidade americana, Brian Dyson, ex-presidente da Coca Cola, falou sobre a relação entre o trabalho e outros compromissos da vida, dizendo: “Imagine a vida como um jogo no qual você faz malabarismo com cinco bolas que lança no ar.

Essas bolas são: o trabalho, a família, a saúde, os amigos e o espírito.

O trabalho é uma bola de borracha. Se cair, bate no chão e pula para cima. Mas as quatro outras não são de borracha. Se caírem no chão se quebrarão e ficarão permanentemente danificadas. Entenda isso e busque o equilíbrio na vida. E como conseguir isso? Anote aí dez conselhos simples:

1. Não diminua seu próprio valor, comparando-se com outras pessoas. Somos todos diferentes. Cada um de nós é um ser especial. Não fixe seus objetivos com base no que os outros acham importante. Só você está em condições de escolher o que é melhor para si próprio.

2. Dê valor e respeite as coisas mais queridas ao seu coração. Apegue-se a elas como à própria vida. Sem elas a vida carece de sentido. Não deixe que a vida escorra entre os dedos por viver no passado ou no futuro.

Se viver um dia de cada vez, viverá todos os dias de sua vida.

3. Não desista quando ainda é capaz de um esforço a mais. Nada termina até o momento em que se deixa de tentar. Não tema admitir que não é perfeito.

4. Não tema enfrentar riscos. É correndo riscos que aprendemos a ser valentes.

Continuar lendo